Powered by Smartsupp

Sistema endocanabinóide em animais

O funcionamento do corpo humano é um mecanismo complexo, com processos individuais que dependem uns dos outros. O sistema endocanabinóide é um dos negligenciados, e só nos últimos anos é que lhe foi dado crédito tanto em humanos como em animais.

Dos humanos aos mais pequenos

O sistema endocanabinóide é um mecanismo fisiológico inato e seu papel é manter a homeostase. Os receptores canabinóides e os endocanabinóides fazem a maior parte do trabalho. Num corpo saudável, onde o sistema não tem de lidar com disfunções e doenças ou distúrbios do sistema imunitário, tudo funciona perfeitamente. Mas, por vezes (ou mesmo apenas como medida preventiva), é necessária ajuda sob a forma de um extrato de espetro total da planta de canábis. A investigação sugere que isto aumenta a eficácia dos canabinóides muitas vezes.

O corpo humano produz os seus próprios canabinóides, como é provavelmente o caso de todos os mamíferos e mesmo das formas de vida inferiores. O seu precursor é provavelmente o ácido araquidónico. E é isso que espécies seleccionadas do reino animal não conseguem produzir. Não foram encontrados receptores de canabinóides na abelha ou no texugo. Mas na maioria dos animais (dos mamíferos às minhocas, dos peixes-gato e anémonas aos nemátodos), o sistema foi encontrado. Resta saber se o seu papel é idêntico ao dos seres humanos e se os animais podem (e sabem) utilizar os endocanabinóides em seu benefício. A maior parte da atenção, é claro, tem sido focada em cães, gatos ou cavalos.

Aposta na semelhança entre humanos e animais

Por enquanto, faltam pesquisas para especificar melhor a ação do sistema endocanabinóide no organismo dos animais. Mas os especialistas esperam que o processo seja muito semelhante ao dos seres humanos, com poucos desvios.A maioria dos testes até agora são apenas em roedores, mas a atenção está se voltando principalmente para os cães, onde o interesse em informações mais detalhadas sobre a ação do sistema endocanabinóide e produtos de cannabis está crescendo.

Os cães têm uma maior representação de receptores CB1 no cerebelo, tronco cerebral e medula oblonga. Infelizmente, esta é uma das razões pelas quais são sensíveis a certas substâncias, incluindo o THC (apenas 0,5 mg por 1 kg de peso vivo) e alimentos não seguros para animais, e podem desenvolver ataxia estática, em que abrem as patas e o único movimento que conseguem fazer é balançar para a frente e para trás. Embora os receptores tenham localizações diferentes em humanos e cães, a estrutura e a função são mais ou menos as mesmas.

Os receptores CB1 e CB2 estão localizados em locais diferentes, por vezes até se misturam e trabalham em conjunto. O primeiro encontra-se nos fibroblastos, nos mastócitos, nas glândulas sebáceas, nos músculos erectores dos folículos pilosos e no citoplasma das células da epiderme. O CB2 também está presente nas glândulas sudoríparas ou nos gânglios linfáticos.

Nos cães, o sistema endocanabinóide funciona de forma semelhante ao dos humanos, onde reduz as manifestações de inflamação, diminui a dor, favorece a digestão, equilibra as funções metabólicas e neurológicas, elimina problemas reprodutivos e promove um desenvolvimento fetal saudável. Mas tudo isso é baseado em suposições e semelhanças entre humanos e cães. Sem uma pesquisa mais detalhada e focada apenas no uso veterinário, é impossível confirmar as informações e construir um tratamento com base nelas.

Foto: Shutterstock

Simples e fácil:

  1. Hemnia não quer, nem pode, substituir os cuidados especializados do seu médico.
  2. Os produtos Hemnia não são drogas (também conhecidos como medicamentos), por isso não os trate como tal.
  3. Hemnia oferece produtos de canábis, mas não procure quaisquer substâncias narcóticas ou psicotrópicas. Não as oferecemos nem recomendamos.

Leia o texto completo da declaração de responsabilidade aqui.