Powered by Smartsupp

CBD e interacções medicamentosas inadequadas?

O pressuposto de que o CBD não interage com os medicamentos por não ser psicoativo é um equívoco potencialmente perigoso. O reconhecimento generalizado da diferença entre o CBD e a canábis com elevado teor de THC marca um desenvolvimento positivo na medicina, mas este desenvolvimento também serviu para alargar esse pressuposto.

Não se sentirá realmente pedrado ou "pedrado" depois de tomar CBD, mas é bom saber que o CBD atravessa a barreira hemato-encefálica, o que significa que afecta o cérebro. De facto, o CBD afecta diretamente o sistema nervoso central de uma forma que altera ligeiramente o humor e a perceção, o que tecnicamente lhe retira o rótulo de não psicoativo. Seria mais apropriado utilizar o termo não-intoxicante.

Pode parecer palavreado, mas quando se compreende que o CBD é um não-intoxicante que, no entanto, produz uma série de alterações fisiológicas, percebe-se que também é necessário considerar que o CBD pode interagir com vários medicamentos e, por vezes, até alterar fundamentalmente os seus efeitos. Em quase todos os casos, esta alteração diz respeito à taxa de metabolismo dos medicamentos.

Neste texto, explicaremos exatamente como o CBD interage com os medicamentos, quais os medicamentos envolvidos e qual a melhor forma de gerir estas interacções

O mecanismo pelo qual o CBD afeta o metabolismo dos medicamentos é bastante simples

De acordo com um artigo de pesquisa de 2019 publicado no Journal of Clinical Medicine, o CBD é um inibidor conhecido de um grupo de enzimas hepáticas chamadas enzimas do citocromo P450.

As enzimas do citocromo P450, que são responsáveis pela produção e decomposição de uma ampla gama de substâncias, como hormônios e gorduras à base de esteróides, mantêm um equilíbrio saudável de moléculas vitais em todas as nossas células.

Esta classe de enzimas também decompõe os compostos contidos nos medicamentos prescritos, permitindo que o nosso corpo sinta os seus efeitos durante um determinado período de tempo e a um determinado nível de intensidade. Como o CBD inibe a produção de enzimas do citocromo P450 até certo ponto, existe uma interação que prejudica o metabolismo dos medicamentos.

Concentrações mais baixas destas enzimas do citocromo significam que os medicamentos prescritos actuam mais fortemente durante períodos mais longos, porque não são decompostos tão rapidamente. Um pequeno mas crescente corpo de investigação neste domínio ainda não produziu quaisquer dados claros sobre a força deste efeito. No entanto, foram identificadas muitas substâncias (cerca de 2/3 de todos os tipos de medicamentos sujeitos a receita médica) que podem ser afectadas pelo CBD desta forma.


Medicamentos que interagem com o CBD

  • CYP3A4
  • CYP2D6
  • Anti-histamínicos
  • Antipsicóticos
  • Anti-retrovirais
  • Bloqueadores beta
  • Benzodiazepinas
  • Opióides
  • Bloqueadores dos canais de cálcio
  • SSRIS
  • Ciclosporina
  • Antidepressivos tricíclicos
  • Haloperidol
  • Macrólidos
  • Sildenafil (e outros inibidores da PDE-5)
  • Algumas estatinas (atorvastatina e sinvastatina, mas não pravastatina ou rosuvastatina)

 

Um relatório do Departamento de Saúde de Washington, D.C., que discute as interacções medicamentosas do cânhamo e do CBD, enumera duas enzimas citocromáticas específicas que o CBD inibe. Para esclarecimento, ambas as enzimas fazem parte da categoria citocromo P450 acima mencionada, mas são identificadas individualmente por uma mistura de letras e números: CYP3A4 e CYP2D6. Embora estas não sejam as únicas enzimas inibidas pelo CBD, estas duas são as mais significativas em termos de interacções medicamentosas com uma vasta gama de medicamentos comuns.

O relatório indica que a CYP3A4 é responsável pela degradação dos anti-histamínicos, de algumas estatinas, dos bloqueadores dos canais de cálcio e de várias outras classes de medicamentos. A CYP2D6 é utilizada pelo organismo para metabolizar antidepressivos, beta-bloqueadores, analgésicos opiáceos e, mais uma vez, várias outras classes de medicamentos. O estudo acima explica que, quando estas enzimas são inibidas, as concentrações séricas dos medicamentos acima referidos aumentam durante um período de tempo mais longo do que nas pessoas que tomaram estes medicamentos sem CBD.

Os medicamentos específicos com os quais o CBD interage são demasiado numerosos para serem enumerados num artigo, mas se tiver conhecimento do tipo de medicamento que está a tomar, ou seja, anti-histamínico ou analgésico opiáceo, pode determinar se é ou não provável uma interação.

Esta lista fornece exemplos de medicamentos e substâncias, discriminados por tipo, que podem interagir com o CBD:

  • Benadryl (anti-histamínico)
  • Codeína (opiáceo)
  • Metoprolol (bloqueador beta)
  • Zoloft (antidepressivo)
  • Lipitor (estatina)
  • Álcool

Como sempre, é imperativo que consulte o seu médico se tiver alguma dúvida sobre possíveis interacções do CBD com medicamentos que está a tomar ou planeia tomar. Esta via enzimática indireta não é a única forma de interação do CBD com os fármacos, uma vez que pode atuar diretamente sobre vários receptores como agonista ou antagonista, o que significa que promove ou limita a ação do recetor.

No entanto, estes efeitos ainda não foram completamente explorados e provavelmente seriam igualmente secundários aos efeitos inibidores de enzimas em termos de relevância para os utilizadores de cuidados de saúde. No entanto, um desses casos é particularmente interessante e altamente relevante para muitos de nós: a relação entre o CBD e o álcool.

O CBD e o álcool

Os resultados de um estudo que envolveu dez pessoas, publicado na revista Psychopharmacology, apontam para uma interação matizada e potencialmente útil entre o CBD e o álcool. Os participantes do grupo experimental receberam bebidas alcoólicas e CBD e, após o consumo, foram submetidos a testes de desempenho motor (teste de batida com os dedos), capacidades psicomotoras e outros indicadores de toxicidade.

Em comparação com o grupo do placebo, o grupo do CBD apresentou níveis de álcool no sangue significativamente mais baixos. No entanto, o estudo afirma que houve "poucas diferenças observadas entre os efeitos farmacológicos dos dois estados de embriaguez", sugerindo que o efeito anti-toxicidade do CBD no consumo de álcool não afectou o desempenho motor. Essencialmente, isto sugere que o CBD não o faz parecer menos bêbado em termos de controlo motor do corpo, mas pode atuar como um tampão para baixar os níveis de álcool no sangue.

 

Utilizar interacções conhecidas para tomar decisões de saúde mais inteligentes

Mesmo que suspeite que o CBD irá interagir com os medicamentos que planeia tomar ou que está a tomar atualmente, uma consulta com o seu médico pode revelar que não precisa necessariamente de deixar de tomar CBD. Isto porque as interacções acima descritas não são "sinérgicas", ou seja, não aumentam a eficácia e os efeitos secundários potencialmente perigosos causados pela combinação de certos tipos de compostos químicos, como o álcool e os analgésicos opiáceos.

Nalguns casos, o doente pode ser aconselhado a manter as doses de CBD baixas e a aumentá-las em incrementos muito pequenos ou a não as aumentar de todo. Por este motivo, recomendamos que as pessoas que tomam medicação utilizem óleos e pastilhas de CBD com concentrações mais baixas.


Pontos-chave a ter em conta

Como sempre, quanto mais pesquisar e se preparar, mais bem equipado estará para lidar com potenciais interacções CBD-medicamento.


Os aspectos mais importantes a ter em conta neste cenário são

O CBD tem o potencial de interagir com uma grande variedade de medicamentos de uma forma que afecta principalmente a sua absorção pelo organismo (metabolismo). A melhor maneira de determinar se pode tomar CBD e medicamentos ao mesmo tempo é consultar o seu médico prescritor. Para o ajudar a gerir as interacções do CBD com medicamentos, utilize produtos de CBD que facilitem a definição de doses baixas e o ajuste em pequenos incrementos. Se seguir estes passos e falar abertamente com o seu médico, pode reduzir significativamente o risco de reacções adversas.

 

Isenção de responsabilidade

Todas as marcas têm uma responsabilidade para com os seus clientes. A Hemnia dedica-se aos remédios naturais e a um estilo de vida harmonioso. Gostamos de escrever sobre estas coisas e partilhar as nossas boas experiências. Para além da qualidade verificada e das descrições correctas e compreensíveis dos nossos produtos, temos o dever de o informar sobre aquilo por que podemos e não podemos ser responsabilizados. O objetivo é a sua segurança e nós respeitamos isso na íntegra.

Foto: Shutterstock

 Curto e simples:
 1. A Hemnia não quer, nem pode, substituir os cuidados profissionais do seu médico.

2. Os produtos Hemnia não são drogas (também conhecidos como medicamentos), por isso não os trate como tal.

3. A Hemnia oferece produtos de canábis, mas não procure quaisquer substâncias narcóticas ou psicotrópicas. Não as oferecemos nem recomendamos.

Leia o texto completo da declaração de exoneração de responsabilidade aqui.